18 de janeiro 2012 as 10:28 am

Militares avaliam proposta de 14,1% de reajuste

Após longa reunião de ontem, categoria faz assembléia esta noite

Militares avaliam proposta

As associações de policiais e bombeiros militares vão se reunir em assembleia, na noite de hoje, para avaliar a proposta de reajuste feita pelo Governo Estadual às corporações. Ontem, em uma reunião que durou quatro horas, a Secretaria de Administração do Pará pôs na mesa o orçamento feito pelo Estado para atender as demandas dos servidores. Enquanto os militares pedem aumento de 100%, a contraproposta é de 14,13% a 22% para os praças – soldado, cabo, terceiro-sargento, segundo-sargento, primeiro-sargento e subtenente.

Os praças são a primeira categoria na proposta de negociação dividida feita pelo Estado. Somente após a definição do reajuste deles é que o aumento do oficialato será revisto. Segundo a secretária de Administração, Alice Viana, a divisão vai facilitar a negociação. “A lei dos praças já prevê reajuste, mas deixou de ser cumprida de 2007 a 2010. Para os oficiais, precisamos criar um projeto de lei que será enviado para a Assembleia para regularizar a situação”, explica. A divisão não agradou os militares, como o sargento bombeiro Aelton Costa. “Nós fazemos parte da mesma categoria, não tem por que negociar separadamente”, defende.

Com o reajuste proposto pelo Governo, o soldado, que ganha hoje R$ 1.689,50, passará a receber R$ 2.128,80. O aumento é de 14,13%, tendo a partir daí um aumento escalonado de 1% a cada patente. O subtenente que ganha atualmente R$ 2.531,47 deve ganhar R$ 3.185,62.

De acordo com a secretária, a proposta para os oficiais ficará pronta até sexta-feira. “Para o reajuste deles precisamos criar uma engenharia jurídica, que estará planejada em três dias”, garante.

O Governo também garantiu na reunião outras revisões exigidas pelos militares. “Respondemos a todas as reivindicações, mas nem tudo pode ser de imediato. Os auxílios transporte e fardamento estão garantidos, mas o aumento da gratificação de risco de vida, por exemplo, só poderá ser revisto em setembro”, diz Alice Viana.

A falta de imediatismo nas resoluções é a maior reclamação das associações. “Avançamos apenas em quatro propostas porque não contemplamos todas as demandas”, avalia Aelton Costa. O cabo PM Francisco Xavier lembra que somente durante a assembleia se saberá se a corporação vai aceitar a proposta. “Só depois saberemos se haverá greve ou não”.

O secretário de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes, também esteve na reunião e descarta a possibilidade de greve. “A população pode ficar tranquila. Não tenho dúvidas de que tudo vai acabar bem e nenhuma greve será iniciada. Nossos policiais confiam no Governo”, garante. 

Fonte: Diário do Pará

Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Delicious
  • LinkedIn
  • StumbleUpon
  • Add to favorites
  • Email
  • RSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>